10/07/2013

A vida tira, mas a gente costuma deixar ir. Costumo perder forças quando vejo que perco pra alguma força maior que a minha. E me sinto fraca pra lutar, impotente até. E deixo ir...  

E depois que a tempestade passa percebo que deixar ir dói mais que perder. É uma culpa assinada. É um remorso que consome. Mas eu nunca sei exatamente o que fazer pra manter e talvez esse seja meu maior desafio: não saber manter.  

Às vezes vou além do permitido ou então deixo de dar um passo fundamental. Seria esse equilíbrio a conquista e o objetivo? Mas se não sei discernir nem quando é melhor deixar ir, como saberei se devo manter? E mesmo se soubesse, como faria isso?  

Sendo como sou, agindo apenas por meus impulsos, já vi que não é o caminho, pois não me sinto querida apenas pelo que sou. Como se fosse pouco. Como se eu fosse comum. E preciso me esforçar pra mudar pra melhor. Pra ser alguém melhor. Eu preciso ter prazer em me sentir bem comigo mesma. Daí pode ser que alguém também sinta o mesmo prazer. Talvez até alguém me procure por sentir minha falta e não perceba a falta que faço apenas quando me encontra por aí... Não faço falta... Se fizesse, saberia, não?

Leca Castro - 10/07/13

0 comentários:

Postar um comentário

Já já eu libero ;-)

RSS Feed Siga-me no Twitter!